segunda-feira, 20 de outubro de 2008

DE FOLHA EM FOLHA, TANTA HISTÓRIA PRA CONTAR



Por Ricardo Idéia

Ao contrário da maioria das pessoas por aqui, minha experiência em fanzines é bem curta, quer dizer, pelo menos enquanto autor e/ou editor (e isso talvez fique mais claro com o tempo por aqui, afinal sou apenas um adolescente ao lado de grandes sábios do fanzinato!). Em compensação, tenho pós-graduação como leitor de zines!

Viciei nesse troço circa 90/91, muito por culpa de um zine chamado Panacea. A partir dali, um universo inteiro foi descoberto. Tinha fanzine de tudo e pra tudo. E também de todo jeito. Sobre música, cinema, literatura, cultura underground, feminista, zine de poesia, de HQ's, panfletários, de contos, xerocado, impresso, off set, papel jornal, sulfite, folha de caderno, batido a máquina, mimeografado, impresso em impressoras matriciais, feito a mão com esferográfica Bic mesmo, com fotos, colagens, desenhos, etc. Enfim, aqui comigo, são duas caixas de papelão (das grandes) cheias deles!!! Aliás, essa foi a última parte da minha mudança a chegar aqui em Pira, e pra falar verdade, isso aconteceu faz mais ou menos um mês.

Foi automático: assim que essas caixas chegaram, tratei de abri-las e fuçar nas coisas que tinham lá dentro. O saudosismo falou mais forte e acabei separando algumas edições de diversos zines para ler novamente.

Está aí um exercício bastante interessante. Alguém por aqui já parou pra pensar na importância histórica que cada folhinha xerocada daquelas tem?

Escolhendo uma porção abrangente em termos cronológicos, dá pra fazer uma bela análise de tudo que aconteceu no underground nesses últimos dezoito anos. Cada acerto, cada erro, o que evoluiu ou piorou, quem ficou ou decaiu, tudo isso lhe salta aos olhos de forma clara. Isso sem contar que tem muita coisa engraçada também, que vai desde cortes de cabelos, ou a ausência de um corte, passando por modas descartáveis, bandas descartáveis, bandeiras descartáveis, etc. E nesse meio ainda teve gente que lutou por causas incríveis e depois sucumbiu se tornando exatamente tudo àquilo que tanto bradou contra!

Não cabe a mim, nem mesmo nesse texto (até porque a parada aqui é temática) traçar um panorama e desenvolver uma tese sobre a cena underground brasileira, mas os fanzines fizeram isso por si só e guardam seus segredos e suas respostas dentro de uma caixa, gaveta, estante ou armário aí perto de você.

E essa é a real importância do zinismo, e a verdadeira missão do zineiro.

Registramos nossa história, catequizamos gerações e escrevemos o evangelho, que é muito daquilo que nós acreditamos e mais ainda do que nos tornamos!

Andarilhos do underground, zinai-vos*!


(ps: *contém sampler do Zambetti!)

13 comentários:

  1. Salve!!!

    A cada texto que leio fico mais motivado e mais orgulhoso por fazer parte deste time!!!!!

    òtimas linhas, ótima leitura!!!!

    abraços!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Estreiou com o pé direito! Congrats!

    ps. nada como o tempo para separar o joio do trigo nesse trem chamado cenario independente. never say never, né não?

    ResponderExcluir
  3. Cara, curti muito o texto.
    Penso que todo mundo que faz zines, é fã de fanzines, ok?
    Você representou isso muito bem!
    Aliás, eu, o Viegas e o Zambetti vamos dar uma palestra sobre zines e muito do que você disse tem a ver com o que iremos falar!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. wow!!!
    thanks brothas!

    E Viegas, é bem por aí, cuspiu pra cima...

    hehehe!!!

    ResponderExcluir
  5. gostei muiito do texto amigo!parabens mesmo

    ResponderExcluir
  6. Pô, escrevi um texto da hora, mas na hora de postar sei lá o q rolou, mas vamos tentar novamente.

    Esse texto me levou longe, lá pra caixa de demotapes,releases,fotos, filmes sem revelar e sem anotações do que se tratava, (só revelando pra ver, rs), selos de R$0,01 pras cartas sociais, uma lista de CPFs (já que tinha uma cota pra cada por dia),recortes diversos, cartas... Enfim, um turbilhão de lembranças, um pena nossa CAIXA com 04 anos de história, com imagens do "arco da velha" não tenha tido o mesmo fim que a do nosso amigo. A dona da casa onde trabalhávamos achou que era lixo.

    PS* Uma das fotos era o Mike Patton tentando ler o Tribunow "O Zine". Aff!!!

    ResponderExcluir
  7. pode ser meio óbvio, mas como diz o Grão:
    "A NOSTALGIA é a melhor droga que existe!
    ;)

    ResponderExcluir
  8. Porra, fui dormir pensando na bendita CAIXA, e pasme, até sonhei com ela. Lembrei de outros clicks que a dona achou que era lixo. (leia post acima).

    Junta Tribo, Abril Pro Rock, o expediente do Zine em uma roda fazendo a cabeça com O Rappa no Aramaçã, (segundo CD), Capa do CD dos Theobaldo com agradecimento no encarte p/ o Zine, entrevista com a Fabíloa antes do embarque para o primeiro X Games e sua 1ª medalha, entrevista histórica com o Racionais (tds integrantees) no show Liberdade pro Timor Leste e uma das que mais curtia... A gente sendo homenagiado pelo Cacique da tribu Xingu no Barulho Contra a Fome no Anhembi. Skamondongos, Agnostic From, Zé do Caixão cortando as unhas e Zumbis do Asfalto, Anjo dos Becos, GUETO,Noretur, Negative Contro, Bizzare, Beerbuns,Horrorcon, Ale, Pinups e Kit Kat Club, (a mina já tinha a Hello Kit tatoada a mais de 10 anos atrás... rs melhor parar por aqui se não eu piro.

    ps* iiiii... Metheballs, (acho q é assim q se escreve). =(

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante a ode à arte de ler zines!
    Curioso como os fanzines impressos entram e saem da minha vida de uma forma bem interessante...
    Em 2005 quando achava que nunca mais ia fazer o lance, me aparece o Xan e me convida pra dar uma oficina de zines em Barra Mansa. Empolgado, publiquei uma cartilha chamada "Fanzines de Papel", onde contextualizo zines, conto sua história e dou dicas de como fazer um.
    Isso me motivou a fazer o zine Arreia que, até então, tem duas edições.
    Fiquei um tempo sem produzir nada e no sábado passado fiz parte de uma mesa redonda com punks onde a discussão era zines X internet. E hoje me aparece à vista esse texto...
    Acho que nunca mais vou me livrar desse estranho sentimento de fazer/ler zines...
    Alguém sabe qual é a cura?
    Putabração!

    ResponderExcluir
  10. ah, Marcio, acho que não rola um rehab pra essa doença!deve ser tipo terminal!
    Mas, cá entre nós, tô orgulhoso de ganhar um elogio de outro "zine addicted" como vc!
    Que honra! hehehe!

    como dizemos por aqui:

    Zinai-vos!!!

    ResponderExcluir
  11. Ahhahahah! Deve ser mesmo!
    Coisa que só pega em pessoas estranhas como nós...
    Vou tentar escanear a cartilha que eu fiz e disponibilizar em meu blog. Quando eu tiver feito isso aviso pra geral!
    Putabração!

    ResponderExcluir
  12. Idéia...bacaníssimo!!! Legal é ver a qualidade e a criatividade na forma de expressarmos sobre o tema!!!

    PArabéns!

    ResponderExcluir
  13. Escreveste como um profissa meu caro, de forma clara e batuta
    Muito bom
    Abraço!

    ResponderExcluir

Andarilhos do Underground: ZINAI-VOS!!!